Artigos

Artigos – Escola Unieco

Divisor Escola Unieco

O ventrículo esquerdo apresenta disposição helicoidal e laminar das fibras miocárdicas, conferindo ao músculo grande eficiência mecânica, originando complexa deformação sistólica, analisada usando planos ortogonais e tangenciais.

 

Speckle tracking, avalia a contratilidade ventricular esquerda. Consiste na captura e rastreamento de pontos do ecocardiograma bidimensional ao longo do ciclo cardíaco, gerando vetores de movimento e curvas de deformação (strain rate e strain).

 

A deformação aferida nos planos ortogonais denomina-se strain longitudinal, radial e circunferencial. A deformação tangencial denomina-se shear strain, podendo ser circunferencial e longitudinal. A diferença entre a rotação basal e apical permite calcular a torção…

  • Atualização em doença arterial coronariana;
  • Estudo do fluxo coronariano pelo eco transtorácico.

 

Jose M. Del Castillo. São Paulo

 

Clique no botão abaixo para assistir à conferência.

  • Quando o estudo transesofágico é indispensável no paciente com AIT e AVC?

 

Dr. Nathan Herszkowicz

 

Clique no botão abaixo para assistir à conferência.

As Diretrizes sobre HAP seguidas pela SBC foram elaboradas no 3ro Consenso realizado em Veneza em 2003.

 

  • Define-se HAP como a elevação da pressão sistólica da artéria pulmonar acima de 30 mmHg (média acima de 25 mmHg) em repouso e sistólica acima de 35 mmHg (média acima de 30 mmHg) durante o exercício;
  • A classificação clássica de HAP primária e secundária foi substi-tuída por outra classificação que leva em conta a etiologia e a orientação terapêutica;
  • Destaca a importância da SIMPLIFICAÇÃO metodológica das técnicas não invasivas para o diagnóstico e estratificação da HAP.

 

Classificação

Começo o que considero minha última etapa ao longo de 40 anos de profissão, dez deles dedicados ao treinamento de colegas na minha área.

 

Muitos médicos, ao se inscreverem nos cursos , invariavelmente me perguntam:

 

– Professor, em quanto tempo conseguirei ser considerado um ecocardiografista? Ou mesmo:
– Sairei deste curso apto a realizar exames?

 

Devo dizer que forneci e verbalizei as respostas a estes questionamentos sem nunca expô-los na forma de aula teórica, exatamente no primeiro, dos seis dias dos cursos básicos…

O músculo cardíaco, formado por uma única banda helicoidal, apresenta movimento de torção, conferindo ao miocárdio grande eficiência mecânica. A torção é possível pelo deslizamento de feixes musculares, formados por grupos de 4 a 6 miócitos envolvidos pelo perimísio. Essa deformação, denominada tangencial, por cisalhamento ou shear strain é responsável por mais de 50% do espessamento sistólico das paredes do VE. Objetivo: Analisar com strain bidimensional a deformação tangencial (shear strain), em indivíduos normais, em 16 segmentos miocárdicos. Material: Foram estudados 46 indivíduos sadios, 25 do sexo masculino, 21 do sexo feminino, média etária  37,3 ± 13,9 anos. Métodos: Com strain bidimensional (speckle tracking) foram analisadas as deformações e velocidades miocárdicas desde a posição apical (strain longitudinal e shear strain longitudinal radial) e, pelo eixo curto ventricular (strain circunferencial, strain radial e shear strain circunferencial radial), nos 16 segmentos miocárdicos padronizados. Análise de variância, associada ao teste de Student-Newman-Kauls, foi usada para analisar as deformações segmentares. Resultados

O aparecimento no mercado de sofisticados equipamentos que medem a deformação miocárdica tem tornado esta pergunta cada vez mais frequente entre os colegas ecocardiografistas: o que é e qual a utilidade do strain rate?

 

O estudo da deformação miocárdica tem como base anatômica o conceito do coração helicoidal. Desde há muito tempo se sabe que as miofibrilas apresentam disposição espiralada ao longo das paredes do miocárdio, chegando a formar ângulos maiores de 60° entre a direção das fibras subendocárdicas e as subepicárdicas. Torrent-Guasp, anatomista espanhol, comprovou, na década de ’80, que o músculo cardíaco é formado por um único fascículo enrolado…

Definição da Forma Indeterminada pelo Consenso Brasileiro sobre Doença de Chagas

 

  • Indivíduos soro-positivos (ou exame parasitológico positivo para T. Cruzi);
  • Assintomáticos;
  • Eletrocardiograma de repouso normal;
  • Estudo radiológico de tórax normal;
  • Estudo radiológico do esôfago normal;
  • Estudo radiológico do colon normal.

 

“Não são necessários outros exames complementares para a classificação do portador da forma indeterminada”

 

Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Vol. 38, Supl. 3, 2005. Item 4, Diagnóstico e manejo da forma indeterminada da doença de Chagas…